Série: As principais Criptomoedas do Mundo – Stellar

Mesmo quando o bitcoin ganhou as manchetes no ano passado, houve outras criptomoedas que acumularam ganhos mais impressionantes entre os desenvolvedores. Stellar era um deles.

Com seu preço disparando em aproximadamente 41.900% em 2017, a moeda digital esteve entre as estrelas do ano passado e continuou o excelente desempenho este ano. Em um mercado marcado por declínios acentuados, ela obteve ganhos de 5,26% desde o início de 2018 e teve um valor de mercado de US$ 7,5 bilhões, até o momento.

A Stellar pode oferecer uma oportunidade interessante para os traders que buscam diversificar suas participações de bitcoin e aqui está uma breve introdução à moeda e suas perspectivas de negócios.

O que é Stellar?

A Stellar é uma tecnologia de pagamento de código aberto que compartilha várias semelhanças com a Ripple. Seu fundador, Jed McCaleb, também foi co-fundador da Ripple.

Assim como a Ripple, a Stellar também é uma tecnologia de pagamento que visa conectar instituições financeiras e reduzir drasticamente o custo e o tempo necessários para transferências internacionais. De fato, ambas as redes de pagamento usaram o mesmo protocolo inicialmente. No entanto, é aí que as semelhanças terminam.Uma bifurcação no protocolo da Stellar no início de 2014 acabou com a criação do Protocolo de Consenso Estelar (SCP). Ambos os sistemas também possuem diferenças fundamentais. Enquanto a Ripple é um sistema fechado, a Stellar é open-source.

Elas também têm clientes diferentes. A Ripple trabalha com instituições bancárias estabelecidas e consórcios para otimizar sua tecnologia de transferência internacional. Em contraste, a Stellar está focada no desenvolvimento de mercados e tem vários casos de uso para sua tecnologia, incluindo remessas de dinheiro e distribuição de empréstimos bancários para quem não possui conta em instituições financeiras.

Como funciona a Stellar?

A operação básica da Stellar é semelhante à das tecnologias de pagamento mais descentralizadas. Ela executa uma rede de servidores descentralizados com uma blockchain distribuída que é atualizada em média a cada 2 e 5 segundos entre todos os nós. O fator de distinção mais proeminente entre Stellar e bitcoin é o seu protocolo de consenso.

O protocolo de consenso da Stellar não depende de toda a rede de mineradores para aprovar transações. Em vez disso, ela usa o algoritmo Federated Byzantine Agreement (FBA), que permite o processamento mais rápido de transações. Isso ocorre porque ela usa fatias de quorum (ou uma parte da rede) para aprovar e validar uma transação.

Cada nó da rede Stellar escolhe outro conjunto de nós “confiáveis”. Depois que uma transação é aprovada por todos os nós dentro desse conjunto, ela é considerada aprovada. O processo abreviado tornou a rede da Stellar extremamente rápida e diz-se que ela processa até 1.000 operações de rede por segundo.

Como a Stellar agiliza as transferências transfronteiriças?

O processo atual para transferências internacionais é complicado. Requer que os bancos nacionais mantenham contas em jurisdições estrangeiras com moedas locais. Seus bancos correspondentes devem operar uma conta semelhante no país original.

O processo Nostro-Vostro, como é conhecido, para transações internacionais com moedas fiduciárias é demorado, envolvendo conversão e reconciliação de contas. Por permitir a validação simultânea, a blockchain da Stellar pode encurtar ou eliminar os atrasos e a complexidade envolvida.

A criptomoeda Lumens da Stellar também pode ser usada para fornecer liquidez e agilizar o processo. De acordo com alguns relatórios, os bancos usarão suas próprias criptomoedas para facilitar tais transferências no futuro. De acordo com David Mazières, professor da Universidade de Stanford e criador de SCP, o protocolo tem requisitos de computação e financeiros “modestos”. Isso permite que até mesmo organizações com orçamentos mínimos de TI, como organizações sem fins lucrativos, participem de sua rede.

Quantas instituições estão usando a Blockchain da Stellar?

A Stellar ficou em destaque em outubro de 2017, após anunciar uma parceria com a IBM. A parceria prevê a criação de múltiplos corredores monetários entre as nações do sul do Pacífico.

O projeto tem o objetivo declarado de processar até 60% de todos os pagamentos internacionais na região, o que inclui países como Austrália, Fiji e Tonga. Isso permitirá que conexões entre pequenas empresas, organizações sem fins lucrativos e instituições bancárias locais acelerem as transações comerciais. Por exemplo, um agricultor em Samoa poderá se conectar e realizar transações com um comprador na Indonésia.

Em 2016, a proeminente empresa de consultoria de tecnologia Deloitte também anunciou uma parceria com a Stellar para desenvolver um aplicativo de pagamentos. Em uma conferência em 2017, McCaleb confirmou que 30 bancos se inscreveram para usar a blockchain da Stellar para transferências internacionais. O serviço de pagamento Stripe removeu o bitcoin e deixou a porta aberta para a Stellar em sua plataforma.

Enfim, o projeto é muito ambicioso, mas conta com apoio de grandes nomes no mercado tecnológico e financeiro para que seja realizado. Ao que tudo indica, a Stellar crescerá ainda mais e se tornar uma potencial concorrente da sua irmã mais famosa a Ripple.

Quer conhecer um pouco mais de outras criptomoedas? Aqui está nossa lista com os capítulos publicados da nossa série sobre as principais criptomoedas do mundo:

Deixe um comentário