Série: As principais Criptomoedas do Mundo – Qtum

O surgimento de criptomoedas foi acompanhado por uma onda de inovação que colocou o setor nascente no centro das atenções. O modelo do Bitcoin foi replicado e aprimorado, e outras criptomoedas ofereceram seus próprios tokens na blockchain.

Juntamente com a popularidade em expansão do setor, mais empresas estão procurando maneiras de capitalizar com blockchain, e as soluções existentes para o desenvolvimento mostraram suas limitações. O Ethereum, por exemplo, é a solução mais popular para aplicativos baseados em blockchain, mas os eventos recentes exibiram seus problemas com escala e gerenciamento de grandes cargas de rede. Com esses problemas em mente, a Qtum Foundation, de Cingapura, criou sua própria solução blockchain – QTUM – que implanta a cadeia de bitcoins mais estável, fornecendo um ambiente de desenvolvimento de aplicativos semelhante aos recursos que a Ethereum oferece atualmente. A fundação tem como objetivo oferecer às empresas uma plataforma de contrato inteligente aprimorada que amplie a funcionalidade junto com um ambiente mais seguro e transparente.

O que é o Qtum?

Em seu núcleo, a Qtum é uma criptomoeda criada para simplificar o uso de contratos inteligentes para operações inter-empresariais e institucionais. Mais do que simplesmente uma moeda, no entanto, a fundação criou uma solução blockchain que combina vários aspectos de duas principais criptomoedas – bitcoin e Ethereum – para facilitar a interoperabilidade entre os dois e tirar proveito de seus principais benefícios.

A Qtum é baseada em um fork do núcleo bitcoin, mas a fundação criou sua própria blockchain híbrido com a ajuda de várias ferramentas-chave. A moeda usa a cadeia do bitcoin devido à sua natureza simples e estável, permitindo que a fundação a construa com mais facilidade.

No topo da fundação, ele usa uma camada de abstração que permite ao Qtum combinar várias máquinas virtuais que contribuem com diferentes funcionalidades. O mais importante deles é a Máquina Virtual Ethereum, que dá à Qtum a capacidade de criar seus próprios contratos inteligentes.

Em um nível mais granular, no entanto, cada camada tem uma finalidade específica. A cadeia de bitcoins oferece à fundação a capacidade de usar o modelo UTXO (Unspent Transaction Outputs), uma versão simplificada de contas que evita o modelo tradicional de contas bancárias em favor de um modelo mais orientado para peer-to-peer.

Em vez de contas individuais que têm somas debitadas quando ocorre uma transação, todas as transações são gravadas como cheques bancários. Dessa forma, os usuários devem especificar exatamente para quem o valor está sendo creditado e o motivo para simplificar o processo de criação de contrato inteligente. Os “saldos” dos usuários são, então, o total de todas as transações que eles podem concluir.

O problema com o UTXO é que o Ethereum usa um modelo de conta mais tradicional, em que os usuários têm saldos que podem ser debitados para concluir uma transação, e suas contas de destino têm o mesmo montante creditado. Este é um dos maiores problemas na interoperabilidade bitcoin-Ethereum, que a Qtum resolve com uma Camada de Abstração de Conta que traduz as saídas UTXO do bitcoin em dados estilo conta que o Ethereum pode interpretar.

O aspecto Ethereum é outro componente importante do Qtum, pois permite a criação de contratos inteligentes e aplicativos descentralizados (dApps). No entanto, combinando-o com o bitcoin, a Qtum se baseia nos atributos da Ethereum para focar sua visão na adoção comercial e institucional. Tudo dito, o blockchain da Qtum é baseado em estabilidade, interoperabilidade e design modular, ajudando a contribuir com seu valor geral.

Prova de participação – Proposta de valor agregado do Qtum para empresas

Uma outra grande diferença entre o Qtum e seus blocos de construção que servem de base para a plataforma é o uso do consenso da Prova de Estaca sobre a Prova de Trabalho mais tradicional.

O PoW é o padrão para o bitcoin e é baseado em mineradores que validam transações para criar novos blocos. O sistema foi útil inicialmente porque as taxas de adoção eram baixas e o processamento de cada bloco era relativamente fácil.

O problema com o consenso do PoW é que, à medida que as cadeias se expandem e o número de transações aumenta, a resolução de cada bloco se torna significativamente mais difícil. Isso se manifesta de várias maneiras. A primeira é que a mineração leva muito mais tempo, diminuindo a velocidade geral da rede e das transações. A segunda é que, como a mineração se torna exponencialmente mais complexa, computadores e sistemas melhores são necessários, bem como grandes quantidades de energia do mundo real.

As operações de mineração usam quantidades substanciais de eletricidade que custam moeda fiduciária, pressionando os valores de criptomoeda. Para fins comerciais, o PoW se torna ineficiente, pois milhares de transações devem ser processadas rapidamente e a custos relativamente baixos. Ter que esperar horas para que uma transação seja registrada e concluída significa que as empresas perdem dinheiro fiduciário enquanto esperam.

O consenso de PoS, por outro lado, randomiza o criador de cada novo bloco na cadeia, introduzindo um algoritmo determinístico que escolhe com base na riqueza ou na participação de um usuário. Isso elimina as recompensas de bloco para mineradores e também a necessidade de operações de mineração cada vez mais caras, para as quais o bitcoin e outros caíram vítimas. Mais importante, todas as moedas são extraídas quando o blockchain é criado, portanto, não há recompensa real fora das taxas de transação, reduzindo as despesas gerais e agilizando a velocidade das transações.

Para as empresas, esse modelo é preferível, pois elimina a necessidade de concorrência e garante que as taxas de transação permaneçam baixas o suficiente para tornar o sistema viável. Além disso, como não há necessidade de mineração, também não há pressão negativa sobre os valores das criptomoedas dos mineradores que têm que vender suas criptos para cobrir despesas fiduciárias.

Quais são os usos para o Qtum?

A Qtum Foundation se posicionou como uma solução para as empresas, oferecendo uma maneira melhor de abraçar o blockchain sem os riscos e complicações inerentes associados ao bitcoin e ao Ethereum, mas com todos os benefícios. O Qtum oferece às empresas várias vantagens sobre seus antecessores, o que o torna extremamente útil em diversas situações.

O mais óbvio é que seus contratos inteligentes híbridos, que graças ao UTXO, são mais seguros que a versão do Ethereum. Enquanto o último criou contratos inteligentes, houve vários incidentes bem divulgados em que a tecnologia teve um desempenho inferior, causando milhões em perdas. Em vez disso, as transações seguras da bitcoin agora podem ser usadas com contratos inteligentes da Qtum, oferecendo uma camada extra de proteção.

Um dos maiores apelos para os usuários do Qtum é a capacidade da blockchain de criar dApps leves em praticamente qualquer linguagem de computador, em oposição à biblioteca um pouco restrita do Ethereum. Já existem vários aplicativos criados na cadeia da Qtum, incluindo serviços tradicionais como registros de saúde e marketing, bem como mais dApps pouco ortodoxos com foco na rastreabilidade de alimentos, mercados de previsão e proteções de direitos autorais de artistas.

Mais importante, a Qtum espera atrair atores institucionais maiores e se tornar uma ponte para as transações business-to-business, graças ao seu design de contrato inteligente. O uso dos contratos inteligentes UTXO e Ethereum pela empresa significa que ele oferece um ecossistema verdadeiramente confiável para transações, eliminando totalmente a necessidade de intermediários e reduzindo as despesas gerais das empresas.

Penetração no mundo real

A Qtum já passou dos estágios iniciais e já fechou acordos com várias empresas importantes que poderiam rapidamente aumentar seu perfil, ao mesmo tempo em que aumentava seus recursos como um hub central para o desenvolvimento de blockchain no futuro.

A Fundação Qtum já firmou um acordo de parceria com a Starbucks, embora os termos não tenham sido totalmente especificados. Além disso, para permanecer na vanguarda, a fundação estabeleceu um relacionamento com a 360 Finance da China para criar um laboratório de pesquisa de blockchain dedicado a melhorar a tecnologia subjacente do sistema.

Ainda no início do ano, muitos especialistas têm grandes esperanças para o Qtum, e a criptomoeda parece pronta para realizar seu potencial. Embora ainda deva provar que o setor privado está ganhando força, a moeda virtual pode rapidamente se tornar o principal fator para o desenvolvimento ds dApps e oferecer às empresas uma maneira mais segura e eficaz de realizar transações.

Quer conhecer um pouco mais de outras criptomoedas? Aqui está nossa lista com os capítulos publicados da nossa série sobre as principais criptomoedas do mundo:

Compartilhe este post

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário