Série: As principais Criptomoedas do Mundo – Verge

Série: As principais Criptomoedas do Mundo – Verge

O Verge é uma criptomoeda focada na privacidade que visa manter as transações anônimas e não rastreáveis, ao mesmo tempo em que permite alta taxa de transferência e rápidos tempos de confirmação.

O projeto é totalmente open source e liderado pela comunidade. Não há empresa ou fundação atrás da Verge. Na verdade, a equipe principal assinou o white paper da Verge com apenas seus nomes de usuário. A comunidade está comprometida com a privacidade, o anonimato e a descentralização.

A moeda começou originalmente como DogeCoinDark em 2014. Em fevereiro de 2016, querendo se distanciar tanto do meme Doge quanto da conotação “sombria”, o DogeCoinDark foi renomeado para Verge. Nos últimos dois anos, o projeto estabeleceu uma trajetória em direção à legitimidade para a adoção em massa do mercado.

Verge está entrando na corrida para ser a melhor moeda em relação a privacidade. Neste artigo, um pouco mais dessa criptomoeda e quais medidas a Verge tem implementado para conquistar esse pódio. Também vamos nos aprofundar na tecnologia por trás dela e decidir se esse é um projeto com potencial para chegar ao topo.

Tornando as conexões do usuário anônimas

A Verge ataca a questão da privacidade do ponto de vista de como um usuário se conecta à rede.

A internet que todos reconhecemos é bastante direta. Para enviar informações entre computadores, você usa um provedor de serviços de Internet (ISP) ou outro intermediário para facilitar a mensagem. Quando você envia uma mensagem, seu ISP pode ver seu identificador exclusivo na Internet – seu endereço IP. Seu ISP também precisa saber o endereço IP do computador de destino, para poder rotear a mensagem.

Isso é bom para o tráfego normal da Internet, mas não é anônimo. Com o tempo, um ISP aprende muito sobre os endereços IP que você está contatando. Eles também sabem de onde você está enviando mensagens. Em muitos casos, um IP fica associado a um ISP, causando vários problemas de anonimato e privacidade. A Verge usa duas abordagens para resolver isso – Tor e I2P.

TOR – Anonimato Total

Tor é um conhecido esquema de anonimidade para endereços IP. O nome é um acrônimo que significa The Onion Router, porque a rede Tor envolve sua mensagem em várias camadas de criptografia. Em vez de rotear sua conexão de internet através de um ISP, o Tor bate a conexão entre muitos computadores de re-transmissão na rede peer-to-peer.Isso altera o endereço IP da mensagem várias vezes, dificultando o rastreamento do remetente original. Com o TOR, nenhum nó sabe a rota inteira que uma mensagem levará. A mensagem rapidamente se torna anônima e não rastreável.

Tor é uma rede peer-to-peer. Ao usá-lo, você também está atuando como um nó de re-transmissão para que outras mensagens sejam transmitidas pela rede Tor.

A Verge implementa o Tor como padrão para suas transações para anonimizar as conexões do usuário com a blockchain. Tornando as interações mais difíceis de vincular a um endereço IP.

Tecnologia I2P

A solução de próxima geração para anonimidade de conexões é A I2P. Enquanto o Tor fornece roteamento de circuito baseado em diretório, a I2P permite o roteamento dinâmico de pacotes de informações. Não há diretório na I2P, portanto, o roteamento responsivo da rede pode evitar congestionamentos e interrupções.

A I2P também divide o roteamento em dois túneis separados, um de saída e outro de entrada. Isso significa que as mensagens que você envia para outro computador ou site seguem um caminho diferente das mensagens recebidas em resposta. Qualquer pessoa que esteja ouvindo só verá metade do histórico de mensagens, como ouvir apenas metade de um telefonema em que você não sabe quem está falando ou com quem está falando.

Tor foi concebido como um portal para acessar anonimamente a Internet comum. A I2P oferece uma experiência muito mais robusta, levando à criação de uma rede privada na Internet. A I2P é um verdadeiro darknet, com aplicativos escritos especificamente para a I2P.

A Verge aproveita a tecnologia I2P para sua rede também. Você tem a opção de rotear suas transações através do Tor ou I2P, mas a anonimidade do IP é padrão na Verge. Como um todo, a blockchain da Verge é anônima, assim toda a comunidade se torna muito mais difícil de ser rastreada.

Protocolo Wraith

O protocolo Wraith permite que os usuários escolham entre transações blockchain públicas e privadas. As transações públicas proporcionariam transparência e velocidade. Transações de blockchain privadas não seriam publicamente passíveis de revisão.

Eles planejam realizar essas transações privadas usando endereços furtivos roteados pelo Tor. Endereços furtivos enviam fundos para endereços de uso único. Somente o destinatário pode identificar e resgatar fundos enviados para um endereço invisível. Os endereços furtivos são um componente importante de como a Monero, umas das moedas focadas em privacidade, opera. No entanto, a Monero também oferece criptografia mais complexa e outros recursos que garantem sua privacidade de forma mais eficaz.

A criptografia do Verge é baseada em curvas elípticas. Criptografia de curva elíptica é bem estabelecida e muito conhecida. É uma parte fundamental do Bitcoin e a Verge usa uma pequena variante do Bitcoin, conhecida como Elliptic-Curve Diffie Hellman. Ele permite que as partes compartilhem e concordem com chaves de transação e assinaturas sem que um observador aprenda nada.

Carteiras

A Verge utiliza a carteira Electrum, originalmente projetada para Bitcoin. A Electrum suporta a integração Tor e I2P. Também permite o armazenamento off-line seguro de tokens. Quando você precisar enviar XVG, poderá assinar a transação com sua chave privada off-line. Depois de assinado, você pode transmitir a transação de um computador on-line que não tem acesso a suas chaves particulares.

A Electrum também suporta a recuperação de chave com senha e a assinatura múltipla, o que significa que você pode precisar de várias confirmações para enviar uma transação, aumentando a segurança. Finalmente, a carteira Electrum se conecta a servidores descentralizados que indexam a blockchain. Não há necessidade de operar um nó completo ou fazer o download de todo o histórico de transações da blockchain.

Carteiras Android

Verge também suportará duas carteiras Android. Um para o Tor e outro para a I2P. Essas carteiras móveis incluem medidas de segurança, como códigos PIN e bloqueio biométrico. Eles também suportam códigos QR para extrair saldos de carteiras de papel. Uma outra carteira android que também suporta a Verge é a Coinomi.

Mensagens

A Verge também implementou opções para transações via mensagens. Você pode enviar XVG via Telegram, Discord, Twitter ou IRC. É simples enviar tokens usando apenas o nome de usuário de uma pessoa. Um bot processará a transação e colocará os fundos em um endereço de espera. Em seguida, enviará uma mensagem ao destinatário com instruções sobre como reivindicar os fundos. O Verge não é a única criptomoeda a implementar pagamentos via mensagens, mas representa um grande avanço na experiência do usuário, do ponto de vista da facilidade de uso.

Os pagamentos via mensagens no Slack e na Steem estão chegando ao XVG no final deste ano.

Mineração Verge

A Verge está entre um pequeno grupo de projetos que estão testando o consenso de vários algoritmos. Isso significa que os mineradores podem minerar a XVG de cinco maneiras diferentes. Todos os algoritmos são baseados em prova de trabalho. No entanto, alguns preferem hardware ASIC, enquanto outros são compatíveis com GPU ou mais leves.

Os cinco algoritmos são Scrypt, X17, Lyra2rev2, myr-groestl e blake2s. Digibyte foi pioneiro nessa abordagem de multialgoritmo. O benefício é uma maior descentralização, pois vários algoritmos significam que muitos tipos diferentes de plataformas de mineração podem participar da mineração XVG.

Moeda XVG

A XVG, originalmente DogeCoinDark, foi lançada sem um ICO ou coisa do tipo. Para financiar o projeto, os desenvolvedores simplesmente compraram XVGs assim que foi lançada, quando ela ainda valia poucos satoshis.

Verge está atualmente no top 34 entre as criptomoedas de todo o mundo. Ele está listado em muitas das principais exchanges, incluindo Binance e Bittrex.

Planos futuros

A Verge tem vários planos futuros que podem tornar o projeto mais atraente como uma solução completa de privacidade.

A partir de 2018, a Verge espera implementar suporte para transações atômicas com a maioria das criptomoedas principais. O chamado “Swaps Atômicos” usa hash-lock e time-locks para congelar tokens em uma blockchain em troca da liberação de tokens em outra chain. A Verge espera que a interoperabilidade com outras redes torne-a uma das principais provedoras de privacidade entre as grandes criptomoedas.

Contratos inteligentes

O projeto da RootStock planeja adicionar uma sidechain à Verge que processa contratos inteligentes. Com isso o sistema será comparável ao Ethereum. Contudo, como ainda não foi lançado, esse sistema ainda não foi confirmado.

Os tokens RSK da Rootstock poderiam ser indexados a tokens da Verge para que tenham o mesmo valor. Você pode depositar o XVG e gastar o RSK correspondente na cadeia Rootstock.

A Rootstock afirma ter feito um grande avanço na escalabilidade de contrato inteligente. Sua meta é de 2.000 transações por segundo usando soluções de liquidação fora da cadeia, semelhantes à Rede Lightning.

Sem dúvida a Verge não está parada e busca conquistar cada vez mais espaço no mundo das criptomoedas. Com um forte apoio da comunidade, chegando a ficar em primeiro lugar em numero de transações nas grandes exchanges, ela com certeza tem um horizonte muito promissor a sua frente, contudo, cabe a você acreditar e apostar nesse projeto.

Quer conhecer um pouco mais de outras criptomoedas? Aqui está nossa lista com os capítulos publicados da nossa série sobre as principais criptomoedas do mundo:

Deixe um comentário