Série: As principais Criptomoedas do Mundo – Zilliqa

A escalabilidade tem sido e continuará sendo um dos maiores problemas para a maioria das tecnologias de blockchain existentes. Existem vários projetos que estão atualmente tendo uma chance de resolver toda a questão da escalabilidade através de vários métodos inovadores, como movimentação de informações off-chain, sendo a Aeternity um excelente exemplo nesse caso.

A Zilliqa é outro projeto muito relevante que visa resolver o problema da escalabilidade revolucionando a tecnologia por trás do sharding. Isso é feito implementando uma solução de fragmentação que é dimensionada com o tamanho da rede por meio de um método chamado escalonamento linear.

Isso significa que, pelo menos em teoria, não há limite para o número de transações que a plataforma poderia processar por segundo. Também vale a pena saber o fato de que a Zilliqa tem como objetivo apoiar contratos inteligentes, mesmo que essa missão seja muito desafiadora em uma rede fragmentada.

Resolvendo a Escalabilidade

Como mencionado anteriormente, a movimentação de dados fora da cadeia é uma maneira de corrigir parcialmente todo o problema de escalabilidade. Outra técnica envolve aumentar o tamanho do bloco. No entanto, uma das táticas inventivas da Zilliqa envolve o uso de um protocolo de consenso de última geração que aumenta a produção da rede a cada 600 novos nós que participam. O objetivo é garantir que a velocidade de consenso e o tamanho da rede sejam interrelacionados com confiança de uma maneira benéfica.

A cada novo 600 nós, o limite de throughput da plataforma é aumentado. Este método não vem sem certas desvantagens; como vários problemas relacionados à transmissão podem ocorrer se a rede crescer para mais de 1 milhão de nós. No entanto, ainda há um longo caminho a percorrer até que o Zilliqa atinja esse nível, já que outras plataformas de blockchain mais populares, como Bitcoin e Ethereum, têm apenas cerca de 36.000 nós combinados.No momento da edição dessa matéria, a Zilliqa ainda estava testando sua rede ativamente no Testnet, mostrando resultados promissores. A rede exibiu uma taxa de transferência de 1218 tx/s quando 1800 nós estavam em funcionamento. Aumentar o número de nós para 3600 resulta em uma escala de rede de 2488 tx/s. Ao operar com 1800 nós, o Testnet se divide em 3 fragmentos. Da mesma forma, em 3600 nós ativos, a rede Testnet é dividida em 6 fragmentos.

Esses fragmentos são responsáveis ​​pelo processamento de uma parte fracionária das transações da rede. Os nós de mineração são divididos em grupos de 600. Quanto mais fragmentos houver, mais a carga de consenso será dividida entre eles.

Cada fragmento tem uma transação atribuída em um micro bloco, junto com outros fragmentos. “DS epoch” ou época do DS é o final do período de processamento paralelo mencionado anteriormente. DS epoch é quando esses micro blocos são combinados em um bloco completo e, posteriormente, adicionados ao blockchain.

Gerenciamento de fragmentos

A rede é gerenciada pelo “comitê do DS”. Em suma, esse comitê decide quais nós específicos são atribuídos a qual shard. Cada vez que novas solicitações de transações chegam, o comitê as atribui a um fragmento para manipulação. O comitê do DS cria um bloco completo de vários micro-blocos. Isso é feito no final de cada época do DS.

O algoritmo de consenso de Zilliqa é composto de dois elementos principais: Prova de Trabalho (PoW) e Tolerância de Falha Bizantina Prática (PBFT). Este mecanismo de mestiçagem garante uma finalização imediata dos blocos, bem como alta complexidade de mensagens.

Como tal, o PoW permite que a plataforma estabeleça identidade e garanta que a rede não seja sobrecarregada por múltiplas identidades. Depois que um nó é identificado, ele é imediatamente atribuído a um fragmento. Aqui é onde o método PBFT entra em jogo. Quando um bloco é confirmado pelos fragmentos e pelo comitê do DS, ele se torna o único bloco que pode referenciar o bloco que o precede.

Contratos e Fragmentação do Estado

“Compartilhamento de transações” significa atribuir verificações de transação a vários fragmentos. Os contratos da Zilliqa não permitem verificar, armazenar e alterar estados; no entanto, eles estão mais focados na programação funcional e no fluxo de dados.

Isso torna o Zilliqa uma plataforma muito adequada para qualquer dApp que possa exigir taxas de transação e um throughput mais alto do que outras blockchains podem oferecer. Embora outros projetos de blockchain estejam trabalhando na implementação de soluções de fragmentação de estado, ainda há trabalho a ser feito nessa área.

Scilla – uma linguagem de programação sob medida para o Zilliqa

A equipe por trás do Zilliqa criou uma nova linguagem de programação: o Scilla. A linguagem de programação separa o estado e a função, estabelecendo uma clara distinção entre contratos funcionais e contratos independentes do estado (sem suporte da Zilliqa).

Infelizmente, a nova linguagem não suporta aplicativos que exigem tipos especiais de instruções condicionais ou loops. E um dos seus principais objetivos é garantir que a programação se torne mais segura. Isso é feito permitindo que os usuários comprovem contratos, o que significa que eles são fornecidos com opções de verificação acessíveis antes de usá-los.

A equipe da Zilliqa é formada por pessoas altamente qualificadas com doutorado em ciências da computação. Entre os membros da equipe estão Xinshu Dong, CEO da plataforma, Prateek Saxena – chefe de consultoria científica, Yaoqi Jia – chefe de tecnologia, Amrit Kumar – chefe de pesquisa, Ong En Hui – chefe de desenvolvimento de negócios, além de outros estrategistas, líderes de marketing desenvolvedores e desenvolvedores típicos.

O CEO, Xinshu Dong, é bem versado em segurança cibernética, com inúmeras aparições em conferências respeitáveis. Ele também tem vários projetos de segurança nacional de Cingapura em seu currículo.

O principal assessor científico, Prateek Saxena, é professor de ciência da computação na Universidade Nacional de Cingapura, enquanto Amrit Kumar, o líder do projeto, também é pesquisador da mesma instituição.

A criptomoeda

Assim como a maioria das outras plataformas dApp, a Zilliqa tem seu próprio token exclusivo chamado ZIL. Como a Zilliqa ainda não foi lançada oficialmente, o token é do tipo ERC-20 baseado na blockchain Ethereum. Como esperado, quando o Zilliqa for lançada, os tokens serão trocados por outros tokens nativos.

Até agora, o projeto arrecadou o equivalente a US$ 12 milhões em ETH, que logo foi reavaliada em um limite máximo de US$ 20 milhões. Os tokens ZIL podem ser trocados usando plataformas como Binance, Huobi, Upbit, Bithumb, Gate.io e muitos outros.

Nota final

Zilliqa teve um começo muito promissor e é definitivamente um projeto que vale a pena ficar de olho no futuro. Ao lidar com todo o projeto de escalabilidade de blockchain com uma abordagem muito direta, a Zilliqa tem o potencial de revolucionar o conceito de blockchain. Melhor ainda, podemos até ver os avanços na tecnologia de sharding se infiltrarem em outros projetos futuros.

Quer conhecer um pouco mais de outras criptomoedas? Aqui está nossa lista com os capítulos publicados da nossa série sobre as principais criptomoedas do mundo:

Deixe um comentário